Natasha Oliver voltará ao ar em Bom Sucesso (Foto Divulgação)
Natasha Oliver voltará ao ar em Bom Sucesso (Foto Divulgação)

Ela estreou a carreira como atriz de TV na Globo, ainda nos anos 90. Depois, foi para a Record, onde se tornou um dos maiores nomes da dramaturgia da casa. Agora, Lavinia Vlasak está brilhando de volta no canal carioca.

“Eu não tinha entendido direito. Falaram: ‘Se você estiver disponível, eles vão escrever para você’. Quando veio a Natasha, eu entendi o que era. Realmente, só eu poderia fazer a personagem [risos]. Foi maravilhoso, fiquei felicíssima”, celebra a atriz.

Vale dizer que em Bom Sucesso Natasha mexeu com a relação de Marcos (Rômulo Estrela) e Paloma (Grazi Massafera). O filho de Alberto (Antonio Fagundes) começou a ter um relacionamento com a modelo, mas logo percebeu que seu coração era mesmo da personagem de Grazi. Sendo assim, Natasha decidiu ser o cupido do casal.

“Ela poderia ter um relacionamento com o Marcos. Já é uma pessoa vivida, já experimentou o amor de várias formas. Hoje em dia ela quer ser feliz. Ela fala desde o início: ‘Isso aqui é mais para me divertir, não é um relacionamento sério’. Eu acho bacana isso. Ela tem esse distanciamento, essa maturidade. Não está mais a fim de mimimi nem de sofrer”, explica Lavinia ao Uol.

NATASHA POR LAVINIA VLASAK

Por fim, ela rasgou elogios a sua personagem, que é uma mulher que se coloca no lugar do outro: “A Natasha está vivendo esses tempos lindos de sororidade. Ela não tem raiva das mulheres, inveja, ciúme. Ela simplesmente abraça o feminino dela e das outras. Ela realmente parte daquele princípio de faça com o outro o que gostaria que fosse feito com você”.

Macérrima aos 43 anos, a atriz comenta a sua boa forma: “Eu não tenho muito essa pilha, não (de se manter jovem). Outro dia falei com meu filho: se tem uma coisa que eles nunca vão poder tirar de você é o coração, é ser do bem. Você pode ser a pessoa mais linda do mundo, mas, com o passar do tempo, as coisas vão dando uma tombadinha. Talvez essa forma de pensar seja até uma forma de me defender dessa pressão externa… E talvez interna”, complementa.

E seguiu sendo humilde: De repente eu tenho que agradecer a minha genética. Acho que o bom humor pode ser também o formol. Bom humor deixa a gente bem. Coisa ruins acontecem com todos nós, a forma como encaramos é que faz a diferença. Acho que isso acaba influenciando em tudo. Nada deixa o ser humano mais bonito do que um sorriso no rosto. Com informações do Uol.

Ouça músicas ilimitadas e totalmente grátis no NP PLAY