Uma das descobertas mais revolucionárias da psicologia é na observação de que homens e mulheres diferem nas características que preferem em parceiros em potencial. Estudo após estudo, país após país, os psicólogos constatam que os homens preferem a aparência acima dos recursos, enquanto as mulheres valorizam os recursos acima da aparência. Mas o que explica essa diferença de sexo nas preferências de parceiro?

A explicação padrão da psicologia evolucionária é conhecida como teoria das preferências evoluídas, e é mais ou menos assim: os homens estão procurando por mulheres saudáveis e férteis que terão filhos de alta qualidade para elas.

Como a fertilidade para as mulheres aumenta no final da adolescência e atinge o pico em meados dos anos 20, os homens preferem parceiros nessa faixa etária. Além disso, características da beleza feminina – como baixa relação cintura-quadril e cabelos brilhantes – são todos sinais de boa saúde, por isso é natural que os homens as achem atraentes.

Em contraste, de acordo com a teoria, as mulheres estão em desvantagem natural quando se trata de adquirir recursos. Elas são fisicamente mais fracas que os homens e sua mobilidade é prejudicada pela gravidez e criação dos filhos. Portanto, muitas mulheres dependem dos homens para sustentar elas e seus filhos, e é por isso que valorizam os recursos em detrimento da aparência de um parceiro em potencial.

Embora os dados que mostram as diferenças entre os sexos nas preferências de parceiros sejam robustos, a explicação “evolutiva” padrão tem problemas, o mais importante dos quais é que não combina com o que sabemos sobre a evolução humana.

Os humanos modernos surgiram cerca de 200.000 anos atrás e viveram como caçadores e coletores em grupos de cerca de cem pessoas cada. Este é o período em que quaisquer padrões comportamentais ou cognitivos exclusivamente humanos teriam surgido, e é por isso que os cientistas o chamam de ambiente de adaptação evolutiva.

Cerca de 10.000 anos atrás, os seres humanos fizeram a transição para a agricultura, e essa capacidade de produzir alimentos em abundância foi o que impulsionou o surgimento de civilizações e a rápida expansão da tecnologia, levando às sociedades industriais modernas em que vivemos hoje. No entanto, à medida que os seres humanos passaram da forragem para a agricultura, a unidade social básica passou do grupo para a família. Eles precisavam fazer isso porque agora estavam ligados à terra; portanto, havia regras claras para quem possuía o quê e quem herdou o quê.

O advento da agricultura também foi quando as mulheres foram subjugadas pelos homens. Nas sociedades caçadoras-coletoras, por outro lado, as mulheres têm um alto nível de prestígio porque fornecem a maior parte da comida para o grupo. Como as mulheres são as colhedoras, no final do dia, invariavelmente, trazem de volta algum tipo de alimento vegetal – raízes, bagas, grãos de cereais, folhas verdes e assim por diante.

Obviamente, a carne é altamente valorizada, e é responsabilidade dos homens caçar isso. Mas com apenas armas primitivas, não é fácil. Mesmo se você pousar sua ponta de lança de madeira na garupa de uma gazela, o animal irá disparar e você terá que persegui-la, esperando que ela termine antes da exaustão. Muitas vezes, os homens voltam para casa de mãos vazias no final do dia e precisam ser especialmente agradáveis com as mulheres, se quiserem uma refeição.

Portanto, fica claro que as mulheres não dependiam dos homens para provê-las no ambiente de adaptação evolutiva. E isso significa que não deve haver nenhuma preferência evolutiva feminina por homens que forneçam recursos sobre aqueles com boa aparência. Além disso, o que foi extraído da terra foi compartilhado com o grupo e, portanto, não havia realmente nenhuma distinção entre homens ricos e homens pobres.

Agora, é verdade que alguns homens eram melhores caçadores do que outros, e aqueles que frequentemente traziam carne gozavam de alto prestígio social e, portanto, também eram mais atraentes para as mulheres. As características que tornam um homem um bom caçador – tamanho grande, músculos bem tonificados, força na parte superior do corpo – são exatamente as características que consideramos atraentes para um homem hoje. Se as mulheres têm uma preferência evoluída pelo parceiro, deve ser pelo pedaço – e é exatamente isso que elas procuram quando procuram um parceiro de curto prazo.

Como alternativa à teoria das preferências evoluídas, os psicólogos Alice Eagly e Wendy Wood propuseram a teoria do papel social há duas décadas para explicar as diferenças sexuais observadas nas preferências do parceiro. De acordo com a teoria do papel social, a preferência das mulheres por recursos em detrimento da aparência é uma resposta à organização social atual e não um produto de nosso passado evolutivo.

Na transição da forragem para a agricultura, houve uma mudança nos papéis que homens e mulheres tiveram na sociedade. Cultivar a terra e pastorear animais requer grande força corporal, tornando o fornecimento de alimentos o trabalho do homem. O papel das mulheres foi então relegado a tarefas domésticas, como cuidar de crianças, cozinhar e limpar, além de indústrias caseiras, como tecelagem e confecção de cestas.

Como as mulheres não podiam mais fornecer alimento para si mesmas, elas precisavam depender dos recursos do marido. Além disso, foi somente na agricultura que começamos a ver a estratificação da sociedade em ricos e pobres. E quando surgiu uma civilização complexa, os homens mais ricos não eram mais aqueles que cultivavam o solo, mas sim os proprietários de terras, comerciantes, burocratas e padres – ocupações que não exigiam grande força corporal. Então, as mulheres foram realmente forçadas a escolher entre um marido bonito e ser pobre ou um companheiro medíocre e viver com conforto.

No final do século XX, as mulheres estavam fazendo grandes avanços na recuperação da igualdade de gênero que haviam perdido no advento da agricultura. Assim, a teoria do papel social prevê que as preferências das mulheres em parceiras devem voltar a olhar para os recursos, na medida em que não sejam mais dependentes dos homens para provê-las. Quando Eagly e Wood reanalisaram os dados interculturais sobre diferenças de sexo nas preferências de parceiros, eles pensaram que haviam encontrado exatamente esse padrão.

Ou seja, nas culturas em que as mulheres têm mais liberdade política e econômica, elas colocam menos ênfase nos recursos e mais na aparência quando consideram possíveis parceiros. Certamente, elas ainda valorizam os recursos sobre a aparência, mas a diferença entre os dois não é tão grande. Devido a limitações nos dados e perguntas sobre o uso de métodos estatísticos, as conclusões de Eagly e Wood foram contestadas, com a maioria dos psicólogos ainda favorecendo a teoria das preferências evoluídas.

Para testar ainda mais a teoria do papel social, o psicólogo da Universidade de Glasgow Benedict Jones e seus colegas coletaram um conjunto de dados transculturais muito maior durante um período de oito anos e o submeteram a procedimentos estatísticos mais sofisticados do que Eagly e Wood haviam feito. Os resultados foram decepcionantes para os defensores da teoria do papel social, pois os pesquisadores descobriram pouca diferença nas preferências de parceiros por mulheres em sociedades mais igualitárias em comparação com aquelas em sociedades mais tradicionais.

Então, como interpretamos os resultados de Jones e de colegas? Eles dão suporte à teoria das preferências evoluídas. No entanto, como já vimos, há razões para ser cético em relação à ideia de que as mulheres desenvolveram uma preferência por homens com recursos em detrimento da aparência no ambiente de adaptação evolutiva. Em contraste, a teoria do papel social descreve as realidades da sociedade moderna, tornando-a mais plausível do que uma explicação evolutiva.

Penso que o problema está na forma como a questão foi colocada. A teoria do papel social sugere que as preferências de cônjuge das mulheres mudarão para a aparência e se afastarão dos recursos, à medida que ganham mais igualdade de gênero em sua sociedade. No entanto, acredito que essa ideia é problemática por várias razões.

Primeiro, mesmo nas sociedades mais igualitárias das modernas, como os países escandinavos, os homens ainda dominam as mulheres econômica e politicamente. Os homens ganham mais do que as mulheres durante a vida útil e ascendem a posições mais altas nos negócios e no governo. O número de mulheres nos países industrializados modernos é muito melhor hoje do que no passado, e certamente melhorou muito com a condição das mulheres nas sociedades tradicionais. No entanto, ainda não existe o grau de igualdade de gênero comumente vista em sociedades de caçadores-coletores.

Segundo, há a questão da estratificação social na vida moderna. Mesmo que uma mulher ganhe o suficiente para sustentar a si mesma e a seus filhos, seu padrão de vida ainda será muito melhor com um companheiro que também é um bom ganha-pão. Portanto, somente a igualdade de gênero não é suficiente para as mulheres mudarem suas preferências de parceiro de recursos para aparência. Em vez disso, teria que haver também igualdade de renda em toda a sociedade. Se todos os homens ganhassem aproximadamente a mesma quantia, as mulheres certamente valorizariam a aparência sobre os recursos, porque o dinheiro não seria mais um problema.

Por fim, há um problema que Jones e seus colegas levantam em seu relatório. Quase toda a pesquisa sobre preferências de parceiros perguntou aos entrevistados sobre as qualidades que eles valorizam em um parceiro em potencial, em vez de ver com quem eles realmente se casam. O que queremos e o que obtemos pode ser bem diferente. Além disso, nossa capacidade de atrair um parceiro de alta qualidade depende principalmente do que temos a oferecer à outra pessoa. Na análise final, nossas preferências precisam ser ajustadas para corresponder à realidade.

No final, o júri ainda está em dúvida sobre por que existem diferenças entre os sexos nas preferências de acasalamento. A tendência das mulheres de escolher parceiros por seus recursos, em vez de sua aparência, pode ter evoluído em nosso passado de caçadores-coletores. Os dados das respostas das mulheres modernas tendem a apoiar a noção de preferências evoluídas, mas a teoria entra em conflito com o que sabemos sobre o estilo de vida caçador-coletor. As preferências de acasalamento das mulheres também podem ser uma resposta aos papéis sociais atribuídos a elas na sociedade moderna. Talvez as mulheres procurem recursos por recursos, se não precisarem se preocupar com as consequências econômicas de suas escolhas de acasalamento. Como é sempre o caso nas ciências sociais, são necessárias mais pesquisas.

Fonte: psychologytoday.com
Autor: David Ludden Ph.D.

*Texto traduzido e adaptado com exclusividade por Verena Paccola para o site Fãs da Psicanálise. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.

Ouça músicas ilimitadas e totalmente grátis no NP PLAY